Em algum lugar do Alaska...

Nem tudo é o que parece...

Celebrity Century no porto de Vancouver, Canada.

Eu não deveria aparecer aqui 4 meses depois do último post e escrever uma coisa tão pessimista como estou escrevendo agora, mas uma das razões do meu sumiço é que esse navio é cheio de drama.

O Celebrity Century é o menor e mais velho navio da Celebrity, isso faz com que ele seja único, no pior dos sentidos. Todos os outros navios da frota são modernos e esse é clássico, não tem nada a ver com o conceito da companhia e no final, quem paga por isso é sempre o tripulante. Enfim, é difícil explicar, só estando aqui pra ver como as coisas (não) funcionam.

Minha primeira impressão quando cheguei para embarcar no navio em Juneau, Alaska, foi a pior de todas. O navio é feio, velho, enferrujado e totalmente diferente da Celebrity que embarquei dois anos atrás. Logo na gangway encontrei um segurança que trabalhou comigo no Solstice e ele me perguntou “O que você está fazendo aqui? Nem embarca, volta pra casa e solicita outro navio.” UOW, que recepção. Logo que coloquei meu pé dentro do navio, encontrei um Maitre D’ que também esteve comigo no Solstice e a reação foi a mesma: “O que você fez de errado pra vir parar nesse navio?”.

Drama, drama, drama. Tudo termina em drama nesse lugar. A sensação que todos os tripulantes tem é que esse navio não pertence à Celebrity. Tudo é realmente muito mais difícil por aqui, a qualidade do serviço tem que ser superior aos outros navios da companhia, porque o navio em si esta muito desgastado. Isso cria uma tensão muito grande, pessoas são demitidas por pequenas coisas e assim o clima fica cada dia mais pesado. Há quem diga que a companhia inteira está assim, mas eu não acredito. Fui muito feliz enquanto estive no Solstice e posso garantir que é muito diferente disso aqui.

Mas enfim, como sou brasileira e brasileiros adoram reclamar, nada melhor do que chorar as pitangas no blog né? Nem tudo é terrível por aqui. Meu cargo acaba sendo bem legal, a diferença entre Photographer e Desktop Publisher é gigantesca, isso tem seu lado bom e seu lado ruim, mas isso fica pra outro post.

O que tem me salvo aqui são as amizades que eu fiz, que realmente são muito especiais. Tive um momento muito terrível aqui dentro, inclusive cheguei a assinar minha resignation, mas meus amigos me ajudaram muito e isso é, definitivamente, uma das coisas que fazem a vida à bordo valer a pena. Tenho aproveitado muito os portos (embora sejam poucos), coisa que nunca pude fazer quando fotografa. Tive a chance de conhecer a Celina, que ja era minha amiga de internet há quase dois anos, entre muitos outros momentos especiais, que no final fazem tudo isso valer a pena.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas